Receba nosso Informativo
Nome:
E-mail:
Login de Sócio
Usuário:
Senha:
Tecnologia
Entenda o que são imagens cruas (RAW) Acredito que todo fotógrafo, nos dias de hoje, já tenha ouvido falar dos arquivos de imagem no formato RAW. Ter uma máquina que gere estes arquivos também não é tão caro mais e boa parte dos fotógrafos já possui uma. Entender o que é este arquivo, como manipula-lo e tirar proveito dele e até mesmo saber reconhece-lo, porém, é um assunto muito diferente.

Compreendendo o RAW

Para entender o RAW você precisa saber como sua máquina cria a imagem. Na abertura do obturador a luz que entra encontra sensores fotossensíveis que geram energia elétrica através de um processo físico. Os sensores CCD e CMOS funcionam do mesmo modo (em uma próxima matéria falarei mais deles). Esses impulsos elétricos são enviados ao processador da máquina que os transforma em informação e os guarda em uma espécie de banco de dados. A partir destas informações o processador passa os dados por diversos filtros pré-programados e gera a imagem final, normalmente compactada em formato JPEG (esse sim bem conhecido de todos).

O arquivo RAW nada mais é do que esse banco de dados com todas as informações geradas pelos sensores da câmera. Por isso o arquivo ser chamado de cru, as informações não foram manipuladas. E da mesma forma ainda não é uma imagem exatamente. É por isso também que alguns chamam este arquivo de “negativo digital” numa tentativa de compara-lo ao antigo negativo analógico. A meu ver essa comparação não é boa, a única semelhança é que em ambos os casos não se tem uma imagem mas sim um conjunto completo de informações para se criar uma.

Encontrando e manipulando o arquivo

Como o arquivo é um banco de dados e está diretamente ligado ao funcionamento da máquina, a forma como os sensores geram estas informações, os fabricantes criaram arquivos com estruturas e extensões próprias ou nativas como se diz no jargão de informática. Isso dificultou, ou atrasou, a popularização desse formato pois os principais softwares de tratamento de imagem não davam suporte a eles. Aos poucos foram incorporados aos softwares de terceiros e os próprios fabricantes melhoraram seus softwares para, além de visualizar as imagens, tratar ou gerar imagens a partir de arquivos RAW.

Atualmente a Microsoft já disponibiliza um software que pode ser incorporado ao Windows (Vista SP2 ou Windows 7) e que dá suporte de visualização a diversas extensões de arquivos RAW. Se desejar, poderá fazer o download desse software nesse link: http://www.microsoft.com/pt-br/download/details.aspx?id=26829 (não esqueça de verificar o seu Windows - 32 ou 64 bits - e baixar a versão correta), mas o RAW é um arquivo digital e como tal pode ser copiado e colado como qualquer outro portanto não é necessário que você tenha esse visualizador instalado para manipular arquivos RAW, retirando da memória de sua máquina e colocando em seu computador.

Veja abaixo as extensões mais populares dos fabricantes para os arquivos RAW:
.3fr (Hasselblad)
.arw .srf .sr2 (Sony)
.bay (Casio)
.crw .cr2 (Canon)
.cap .tif .iiq .eip (Phase One)
.dcs .dcr .drf .k25 .kdc .tif (Kodak)
.dng (Adobe)
.erf (Epson)
.fff (Imacon)
.mef (Mamiya)
.mos (Leaf)
.mrw (Minolta)
.nef .nrw (Nikon)
.orf (Olympus)
.ptx .pef (Pentax)
.pxn (Logitech)
.r3d (Red)
.raf (Fuji)
.raw .rw2 (Panasonic)
.raw .rwl .dng (Leica)
.rwz (Rawzor)
.x3f (Sigma)

Gerando e tratando imagens a partir do RAW

Gerando? Sim, gerar a imagem é a primeira etapa, lembra-se que é um arquivo de banco de dados? Mas não se preocupe. A maioria dos softwares que trabalham com RAW fazem isso de forma transparente para você gerando imagens TIFF ou JPEG sem compressão. Falo isso aqui apenas para manter a didática e vou deixar para que você escolha qual ferramenta usar afinal cada um tem suas preferências.

O arquivo RAW tem uma profundidade de cor, normalmente algo entre 30 e 36 bits/pixel, muito maior do que o JPEG – 8 bits/pixel. Isso faz com que toda a manipulação feita, filtros, correções sejam incorporadas com alta qualidade produzindo um resultado final muito melhor e essencial a qualquer profissional da fotografia.

Os números são bem diferentes mas você ainda não entendeu o que é profundidade de cor? Sem problemas! Imagine que cada bit é uma informação então já temos muito mais informação no RAW. E quais seriam essas informações diferentes? Bem, com 8 bits podemos informar qual a cor em um universo de 256 possibilidades já com 36 bits isso sobe para 65 milhões de possibilidades incluindo variações de luminosidade, brilho, contraste, cor, saturação entre outras. Muita informação para um verdadeiro artista fazer sua mágica.

Um detalhe final, mas não menos importante, é o tamanho do arquivo final e a capacidade de seu computador lidar com ele. O próprio arquivo RAW já tem o dobro do tamanho de um JPG e se aberto como TIFF poderá ultrapassar 1Gb. Isso quer dizer que seu computador deve ser capaz de lidar com arquivos desse porte, ou seja, menos de 2Gb de memória RAM podem fazer seu computador ficar muito lento ou mesmo nem abrir esses arquivos. E haja espaço para guardar tudo...

Espero que seja útil a você. Se tiver alguma dúvida é só entrar em contato.



Próximos Cursos
  • Nenhum curso agendado no momento.
Associe-se FCSV é uma associação sem fins lucrativos que visa agrupar fotógrafos amadores e profissionais em torno de discussões teóricas, saídas fotográficas práticas e procuramos oferecer meios de melhorar o conhecimento na área, através de cursos, palestras, workshop e oficinas. Inevitável fazer novos amigos que juntos fazem o que gostam que é fotografar. Saiba mais
Apoio SECULT
Secretaria de Cultura de São Vicente







ILHA PORCHAT CLUBE



Filiado a CONFOTO - Confederação Brasileira de Fotografia.
© 2017 - Todos os direitos reservados ao Foto Clube São Vicente - O FRAME.

Textos e imagens não poderão ser reproduzidos sem prévia autorização.

Desenvolvimento, administração e hospedagem.